Rádio 96 FM

NOTÍCIAS


Concórdia

Chuva ainda não resolveu problemas da seca mas ajudou a amenizar impactos na agricultura

Três pontos de Concórdia apareciam no alerta para estiagem da Epagri/Ciram.

Por Luan de Bortoli
20/09/2019 às 06h40 | Atualizada em 20/09/2019 - 07h53


A chuva de até ontem à tarde ainda não havia mudado completamente o cenário de seca e estiagem em Concórdia, conforme informações de órgãos que fazem o monitoramento climatológico em Santa Catarina. Até por volta das 15 horas desta quinta-feira, dia 19, havia chovido, em um período de 48 horas, cerca de 15 milímetros em Concórdia, conforme a Epagri/Ciram.

Segundo o relatório do órgão emitido ainda na manhã desta quinta, três pontos do município ainda figuravam no aviso hidrológico para condição de estiagem. O montante da barragem, em São Cristóvão, ainda era o mais grave, na classificação de emergência, a pior do ranking. Já a Rua Vitório Celant, no Centro, e a Foz do Rio Claudino, na Rua Osvaldo Zandavalli, seguiam na classificação intermediária. 

A reportagem da emissora conversou com o secretário de agricultura de Concórdia, Mauro Martini, que explicou que a chuva de até ontem havia ajudado na recuperação da umidade do solo, colaborando para as pastagens e para o preparo do solo para plantios. Mas ainda havia continuidade de situação de falta de água no subsolo.

A chuva mais intensa da semana era esperada para o fim da tarde de quinta e para esta sexta-feira. Se a precipitação se confirmar, a tendência é que este cenário mais preocupante na agricultura amenize ainda mais. No entanto, o nível dos rios em Concórdia, que está baixo há meses, deve levar mais algumas semanas para normalizar, caso a chuva seja regular.

A situação de estiagem no município iniciou em junho e se acentuou entre agosto e setembro. De lá para cá, em pouco mais de três meses, choveu menos de 200 milímetros, quantidade que se espera para pouco mais de um mês. Conforme a Epagri/Ciram, em Concórdia, no mês de setembro, até agora, choveu apenas 17 milímetros. 





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM