Rádio 96 FM

NOTÍCIAS


Geral

Bancos lideram reclamações no Procon de Concórdia na primeira parte do ano

Número de atendimentos e reclamações caiu em relação a 2019.

Por Luan de Bortoli
03/08/2020 às 06h19 | Atualizada em 04/08/2020 - 07h43


A procura da população de Concórdia pelo Serviço de Proteção ao Consumidor – Procon registrou uma queda, de cerca de 45%, entre os sete primeiros meses de 2020 em uma comparação com o mesmo período do ano passado. É isso que aponta um levantamento realizado pela reportagem da emissora com base em relatório do Procon local.

Conforme a pesquisa, o total de casos chamados de Reclamações, que são aqueles instaurados pelo serviço, foi de 260 nesta primeira parte de 2020, contra 378 no mesmo período do ano passado. O mesmo aconteceu também nos Atendimentos, aquelas solicitações que não são registradas oficialmente, e ficam no balcão. A queda foi de 29% (diminuição de 1.707 para 1.321).

Pelos dados do relatório por setor, nos primeiros meses de 2020 o item Assuntos Financeiros, que englobam os bancos, foi novamente campeão de reclamações (registradas), com 62,31%, acima do mesmo período do ano passado. Diferente de 2019, que foi ocupado por Serviços Essenciais, o segundo lugar ficou com Produtos (bens duráveis, como eletrônicos), com 16,92% das reclamações.

Na sequência do relatório, aparecem os seguintes setores: Serviços Privados (planos de saúde, TV por assinatura) com 10,77%, Serviços Essenciais em quarto (telefonia celular e energia elétrica) com 7,69%, e, por último, Saúde, com 2,31%. No setor de Alimentação, houve atendimento de 11 pedidos, mas as reclamações não foram registradas. Habitação não apresentou procura.

O Procon é o órgão de defesa ao consumidor, que presta atendimento de orientação e proteção ao público que consome produtos e serviços. Em Concórdia, ele está localizado na Rua Dr. Maruri, no prédio da Rodoviária Municipal, e atende, de segunda a sexta-feira, em horário comercial, pela manhã e pela Tarde. O telefone para contato é 3442-2423.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM