Rádio 96 FM

NOTÍCIAS


Educação

Cerca de 400 alunos deverão ter aula presencial a partir de 19 de outubro na regional de Concórdia

Estudantes com dificuldade foram identificados e serão avisados pelas escolas.

Por Luan de Bortoli
07/10/2020 às 06h12 | Atualizada em 07/10/2020 - 18h01


O retorno das aulas presenciais para parte dos alunos da rede estadual de ensino poderá ocorrer a partir do dia 19 de outubro em Santa Catarina. Anteriormente, a data prevista era 13 de outubro, na próxima semana, um dia após a data final do atual decreto em vigência. A volta das atividades nas escolas da rede estadual de ensino ocorre, porém, apenas nas regiões classificadas com grau alto ou moderado.

O governo de Santa Catarina divulgou nesta terça-feira, dia 06, um decreto que permite o retorno das atividades presenciais seguindo diversas normas. Essa modalidade de ensino foi liberada em Santa Catarina nas redes de ensino pública e privada e para os níveis de educação básico e profissional. Cerca de 12 mil deverão voltar na rede estadual.

O retorno das aulas presenciais será apenas para parcela dos estudantes. Não haverá aula regular, e sim um sistema de ensino de reforço para aqueles alunos que apresentaram algum tipo de dificuldade ao longo dos últimos meses, no período de aulas virtuais que vêm ocorrendo desde março. Para os demais alunos, o ensino remoto vai continuar normalmente.

Para identificar os estudantes que precisam de reforço, as escolas realizam atividades e reuniões desde setembro, quando foram fechadas as notas do primeiro semestre do ano. Conforme a supervisora da superintendência regional de educação de Concórdia, Keila Sabadin Presotto, com base nestas notas, foi definido o grupo alvo, que é formado pro alunos que têm dificuldade de receber os materiais impressos à distância ou que não comparecem às aulas.

“Esta semana, todas as escolas da região estão sendo capacitadas para escrevem seu plano de contingência para retorno das aulas, com todos os protocolos descritos. Com o nome e o número destes alunos com dificuldades, as escolas estão entrando em contato, via telefone ou whatsapp, com todas as famílias, e efetuando o convite, porque eles serão convidados a retornar, ninguém será obrigado a voltar, nem os professores”, explica.

Retorno em escala

De acordo com a supervisora, foi identificado que aproximadamente 400 alunos apresentaram as dificuldades e precisam de reforço nos municípios da regional. As escolas da região possuem aproximadamente sete mil alunos matriculados, dos quais 2.900 compõem o ensino médio, primeiro grupo a retornar. Destes, 13,5% (ou cerca de 390) foram diagnosticados com necessidade de reforço.

“No dia 19, a gente tem previsão de retornar apenas com alunos do terceirão ensino médio, na primeira semana. Aí, o cronograma segue nas demais semanas para as segundas séries do ensino médio, primeiras do ensino médio. Depois, nono, oitavo e sexto. Lá em novembro, então, a gente teria o retorno para os sextos anos”, destaca Keila.

Aula virtual continua

“Todos os alunos continuarão a receber o material através da internet, ou através de material impresso. E além disso, eles terão a possibilidade de fazer o reforço, em forma de contra turno. Mas continua. Os professores que estão atuando de forma remota, continuam fazendo normalmente. Para esse reforço, terão outros professores, através de contratação, se precisar, ou ampliação de carga horária”.

O plano de contingência, elaborado pelo governo do estado junto com outras 16 entidades, recomenda uma série de medidas de segurança sanitária, que precisam ser respeitadas, como o distanciamento social, a não aglomeração e também o uso de máscaras. Além disso, com o retorno das aulas presenciais, também deverá haver o retorno do transporte escolar, informa Keila.

“Nós temos hoje oito cadernos de diretrizes de retorno às aulas. Existem as diretrizes sanitárias e precisam observadas em cada escola. A escola vai ter que dizer, de acordo com cada realidade, o que é preciso fazer para atender seus alunos. O transporte escolar vai funcionar. O governo já sinalizou que vai efetuar o pagamento para municípios que precisarem. O transporte não vai funcionar da mesma forma de antes, porque a gente vai ter um ou dois alunos por linha. E o reforço não vai ser todo o período, será apenas em um período, tudo isso está sendo levado em consideração”, finaliza.

Regras

Cada rede de ensino (municipal, comunitária, filantrópica e particular) terá autonomia para decidir sobre quando será o retorno dos alunos às salas de aula, a partir da publicação do decreto, nesta terça-feira (6), desde que sigam as orientações de volta escalonada e gradativa conforme determinado nas Diretrizes para o Retorno às Aulas, com intervalo mínimo de sete dias por grupo regressante e, inicialmente, com alunos de mais idade, devido a maior autonomia com os cuidados de prevenção do coronavírus. 

O Estado também definiu regras para o uso de refeitórios e de transportes escolares.

Confira mais regras

- Os pais ou responsáveis podem optar por não mandar os alunos aos educandários, desde que assinado termo de responsabilidade.

- A prioridade de retomada é para alunos de final de nível ou etapa que a mantenedora oferece, bem como, alunos sem acesso às atividades escolores remotas.

- As filas, o acesso nas entradas e saídas devem obedecer o distancimento de 1,5 metros entre as pessoas.

- A distribuição de alimentos e o uso dos refeitórios devem ocorrer em horários pré-estipulados para cada grupo de aluno e devem receber apenas 1/3 da sua capacidade por vez.

- Os estudantes devem se acomodar cumprindo o distnaciamento de 1,5 metros nos refeitórios.

- O transporte deve ter no mínimo um banco de intervalo entre os alunos, tanto em carros de passeio, como em vans.

- Nos ônibus a ocupação de assentos deve ser alternada, como prioridade, até o limite de um aluno por assento. Está proibido a circulação de estudantes de pé.

- Somente será permitido a volta em escolas que obtiveram a homologação do Plano de Contigência Escolar junto ao Comitê Municipal de Gerenciamento de Pandemia da Covid-19.

- Os estabelecimentos serão fiscalizados pelas vigilâncias sanitárias do município e da região, bem como instituições de segurança pública: Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM