Rádio 96 FM

NOTÍCIAS


Saúde

Mesmo com estiagem, nº de focos do mosquito da dengue segue aumentando em Concórdia

Município registra ainda aumento no número de casos da doença.

Por Luan de Bortoli
22/04/2021 às 07h43 | Atualizada em 23/04/2021 - 18h31


Concórdia ultrapassou nos últimos dias a marca de mil focos do mosquito Aedes aegypti, que transmite doenças como dengue, chikungunya e zika, conforme o boletim divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE). São, no total, 1.099 vetores do inseto, número que no ano passado só foi alcançado no mês de dezembro.

O que chama a atenção é que mesmo com uma intensa estiagem, Concórdia segue com aumento no número de focos do mosquito. Normalmente, o inseto se prolifera especialmente em períodos mais chuvosos. De acordo com os dados da Dive, no mês de abril, até esta segunda, dia 19, eram 96 focos localizados no município. No ano passado, abril teve 100 focos no total.

Neste mesmo período do ano passado, entre janeiro e início de abril, Concórdia tinha quase metade do total de focos deste ano. Eram cerca de 640 vetores localizados no município. Em nível estadual, o município continua entre as cinco cidades com mais focos, atrás apenas de Joinville, Florianópolis, São José e Blumenau. Até agora, o Estado possui 29.561 focos no total.

Com o avanço nos focos do mosquito, cresce também o número de casos confirmados. Concórdia já tem sete pacientes positivados com dengue nestes primeiros meses do ano, valor superior ao total registrado em todo o ano passado, que foi de cinco casos. Todos os registros são de infecções autóctones, ou seja, contaminação que ocorreu dentro de Concórdia – quatro do bairro Nazaré, um do Natureza, um do Poente do Sol e um em Fragosos. Além disso, há um caso suspeito em investigação.

O município está em alerta desde o início do ano para a possibilidade de ocorrência de uma epidemia de dengue pela grande quantidade de focos presentes, conforme a equipe da vigilância epidemiológica. Concórdia é considerada infestada pelo mosquito desde 2019 e, pelo menos, 11 bairros também são classificados como infestados.





SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM